quarta-feira, 22 de junho de 2016

UTILIZAÇÃO DE EPI’s NO SETOR ELÉTRICO

        Curso: Segurança do Trabalho, Turma: J - Noite
                                    Disciplina: NR 10
Professor: Mário Sérgio Araújo Firmino

 
Utilização de EPI’s no setor Elétrico
(Equipamentos de Proteção Individual)
UMA EXIGÊNCIA DA NR 10 COLOCADA EM PRÁTICA

                                                                                                                                                       Trabalho elaborado como requisito de avaliação do  
                     2° semestre, AC2, correspondente à disciplina NR  
                    10, ministrada pelo docente do Curso Técnico em
                    Segurança do Trabalho, Mário Sérgio Araújo Firmino.        


                                            DISCENTES:  Edgley Oliveira de Albuquerque 

                                                                                      Fabiana Silva Gomes Florêncio  
  
                                                                                      Paulo Albino Vieira 

                                                                                      Saionara Henrique da Silva

                                                                                      Wesley Maylight Nascimento Lima
 
                                                                                         
                         
                                                               Campina Grande
                                                     Junho/2016



INTRODUÇÃO AO USO DE EPIS’s
De acordo com a Norma Regulamentadora nº. 6, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), é considerado um Equipamento de Proteção Individual (EPI) todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos propensos de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.
Por sua vez, a NR nº. 10, em seu item 10.12.1, exige ações de emergência quando envolve instalações e serviços com eletricidade em geral. Dessa forma, é relevante considerar, além do choque térmico, também os riscos de arco elétrico, avaliando todas as circunstâncias possíveis de acidentes e os respectivos mecanismos de defesa ou resposta, caso os acidentes realmente venham a acontecer. Portanto, nesse mesmo item, a norma estipula que as vestimentas para quem trabalha com eletricidade, bem como todos os EPI’s próprios dessa área, devem ser adequados às atividades em questão, observando se os mesmos possuem alguma condutibilidade, influências eletromagnéticas e, especialmente, inflamabilidade.
É importante lembrar que além de fornecer os EPI’s corretos e em bom estado de conservação e funcionamento, cabe também aos empregadores a correta instrução e treinamento dos seus funcionários, a fim de que os riscos de acidentes sejam sempre minimizados. 
                                                                                                                                                 O PROFISSIONAL ELETRICISTA E A UTILIZAÇÃO DE EPI’s

Dentre os profissionais da área técnica, o profissional eletricista vem a cada dia se tornando mais importante e cada vez mais necessário nos mais variados setores do mercado. Devido à modernidade do universo tecnológico, tudo ao nosso redor encontra-se invariavelmente conectado a fios e cabos de alta-tensão. As redes elétricas atuais possibilitam acesso às grandes vantagens da tecnologia, trazendo com isso mais conforto, interatividade, além de muita praticidade para a sociedade como um todo, tanto para patrões, funcionários e pessoas comuns no dia a dia.

         Além do conhecimento que se torna indispensável para a execução das tarefas nessa área elétrica, os profissionais eletricistas também precisam de muita atenção, pois ficam expostos todos os dias a riscos graves que, em alguns casos, podem ser fatais. Deste modo, para a sua segurança e para que o seu trabalho possa ser realizado de uma maneira eficaz e sem nenhum risco, o eletricista precisa sempre fazer uso de alguns equipamentos especiais, conhecidos pela sigla EPI; os Equipamentos de Proteção Individual. Em ocasiões que envolvem mais de um trabalhador, os EPC’s, Equipamentos de Proteção Coletiva, sempre em atividades que envolvem os perigos e riscos da eletricidade.

       Pode-se dizer que tanto o perigo como o risco, podem e devem ser minimizados com medidas de proteção que incluam EPI’s e EPC’s, embora seja fato de que o risco zero só seria possível, na realidade, se pudéssemos eliminar a grandeza que o produz. Todavia, o perigo zero pode ser conseguido, sim. Para isto, devem ser tomadas medidas cabíveis que levem ao risco quase zero e ao perigo zero, avaliando-os previamente e providenciado de maneira inteligente e criativa dispositivos, procedimentos e equipamentos que, de alguma forma, os eliminem ou os controlem.

         Independentemente do trabalho que executem ou da área em que atuem (seja em empresas estatais ou privadas), ou mesmo em serviços domésticos, os profissionais eletricistas sempre estarão expostos aos sérios riscos de sua função e, portanto, devem ser prudentes naquilo que praticam, jamais ignorando a importância do uso de EPI’s. Quanto ao empregador, cabe explicar previamente aos seus funcionários os riscos da profissão e a maneira correta de utilizar os equipamentos de proteção individual. Também se faz necessário uma declaração de entrega destes EPI’s, um compromisso assinado por parte dos empregados da utilização plena dos equipamentos quando estiverem em serviço.

        Via de regra, torna-se imprescindível que esses profissionais da área elétrica desempenhem da melhor maneira possível o seu trabalho, atentando para o fato de terem de trabalhar sempre em áreas desenergizadas, quando se trata de manutenções e instalações feitas nas redes elétricas, sejam elas residenciais quanto empresariais. São atividades que devem sempre ser desenvolvidas por profissionais devidamente qualificados e ainda supervisionados por outros legalmente habilitados. 

        Com treinamentos adequados, Equipamentos de Proteção Individual e ainda ferramentas que atendam sempre às exigências da norma regulamentar n° 10, a conhecida NR 10, é bem verdade que isso trouxe muitos benefícios para os profissionais da área. Por outro lado, é verdade também que trouxe altos gastos para as empresas. Ao comparar o custo de um uniforme comum e a vestimenta especial do eletricista (EPI), a diferença é bem considerável. Entretanto, o custo-benefício cobre qualquer despesa adicional. Se levar em conta que o custo de um acidente com lesão é alto para uma empresa, em todos os aspectos, os EPI’s, nesse caso para o eletricista, saem até mais baratos.                       
    
EQUIPAMENTOS QUE DÃO SEGURANÇA AO PROFISSIONAL ELETRICISTA 

         São considerados EPI’s toda e qualquer ferramenta que seja de qualidade, que possua cabo ou protetor de borracha com a função de isolante. A exemplo, Capacete com forro de borracha. Capa protetora, cujo revestimento seja em borracha. Luvas revestidas de borracha grossa. Sapatos com solado de borracha. Cinto de segurança, estilo paraquedista (usados em atividades desenvolvidas em alturas superiores a 2m). Viseira protetora de fagulhas. Escadas de madeira que possuam travas e que sejam antiderrapantes em borracha. Estacas guia em madeira e alumínio, com os cabos revestidos em borracha, entre outros.                                                                                                                                             
Relação de alguns EPI’s utilizados por eletricistas:

Para a segurança no trabalho, o eletricista necessita da utilização de alguns equipamentos de proteção individual, como por exemplo:

Todas e quaisquer ferramentas de qualidade, com cabo ou protetor emborrachado, que tem como finalidade o isolamento; 


  Capacete com forro de borracha;

   Capa protetora com revestimento em borracha;


             •  Luvas revestidas de borracha do tipo grossa;


  Calçados de segurança para eletricista, sem a presença de componentes metálicos;


  Botas com solado de borracha;


Cintos de segurança tipo paraquedista (para atividades desenvolvidas em alturas superiores a dois metros);

  Viseira protetora de fagulhas;



  Escadas de madeira com travas do tipo antiderrapante em borracha;

  Estacas-guia em madeira e alumínio com cabos de borracha;


É importante lembrar que a profissão de eletricista é uma profissão sujeita a vários riscos e acidentes, os quais ficam mais evidentes graças a imprudência e negligencia de alguns trabalhadores que se recusam a utilizar/ ou desconhecem sobre os equipamentos responsáveis pela sua segurança. Aos empregadores por sua vez é dever explicar a seus funcionários os riscos que estão expostos, e a maneira correta de usarem os EPI’s. Sendo de máxima importância certificar-se, sempre, através de uma declaração que todos os equipamentos de segurança foram devidamente entregues a seus funcionários.


CONSIDERAÇÕES FINAIS 

Embora o EPI seja a última alternativa de segurança, ainda é o item mais adequado na questão de minimizar riscos inerentes à função do trabalhador. Especialmente quando as medidas padrões de engenharia, ou de caráter coletivo, se mostram insuficientes e/ou quando as proteções têm de ser retiradas para permitir a realização de trabalhos. Nessas situações extremas, a importância do EPI é ainda mais redobrada. Cumprir procedimentos de segurança quando o seu trabalho exige mais cuidado para ser executado é essencial para a vida e a saúde de todo funcionário.
Despesas com EPI’s para trabalhadores que interagem, em especial, com instalações e serviços em eletricidade, não podem ser encarados simplesmente como gastos, mas sim, como um investimento indispensável e tanto quanto necessário. Deixar de fornecer ou comprar EPI’s de baixa qualidade para esses funcionários é algo que podemos chamar de economia burra. Aquilo que se economiza hoje, normalmente se gasta o dobro depois. Sem contar que o empregador poderá arcar com as despesas de ter um funcionário incapacitado para o resto da vida. Quando se trata de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional, com toda certeza não vale a pena economizar.
Enfim, EPI’s adequados nunca serão considerados como sendo um gasto desnecessário, principalmente depois que alguém passa por situações de perigo extremo. Nessas horas é que se dá o verdadeiro valor aos equipamentos de segurança.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PORTAL ELETRICISTA.com.br Disponível em: <http://www.portaleletricista.com.br/equipamento-de-protecao/>.  Acesso em: 24 maio 2016.

PORTAL O SETOR ELÉTRICO, Sobre os Epi’s. Disponível em: <http://www.osetoreletrico.com.br/web/colunistas/joao-jose-barrico-de-souza/731-sobre-os-epis.html>. Acesso em: 25 maio 2016.

TUIUTI, EPI para atividades que envolvem eletricidade. Disponível em: <http://www.epi-tuiuti.com.br/blog/epi-para-eletricidade/> Acesso em: 25 maio 2016.



Um comentário:

  1. A escola Infogenius é realmente uma das melhores de Campina Grande.

    ResponderExcluir