sábado, 28 de dezembro de 2013

POSTAGEM COMEMORATIVA - CONTINUAÇÃO

Leiam agora o desfecho nada agradável desse meu mini romance, uma "vingança" inusitadamente literária...


SOBRE ALGUÉM NADA ESPECIAL...
UM ROMANCE DA VIDA REAL - 2ª PARTE
                                    Capítulo final

         No início de outubro deste ano, finalmente veio à tona o motivo de tantas mentiras. Um grande mistério fora (por acaso) desvendado, embora tardiamente. Através de outro Facebook - um aliado e opositor ao mesmo tempo - , e juntamente com o olhar atento de uma sobrinha, descobri que a vigarista com quem dividi alguns momentos da minha vida, na verdade era NOIVA do tal rapaz da igreja, do qual já falara aqui antes. Além de outros “biscates” que ela comprovadamente ainda cometia por fora...      
      Sim, afirmo isto sem receio algum de cometer crime, seja por calúnia, injúria ou difamação. Procurei investigá-la ao máximo, como nunca havia feito antes e acabei descobrindo que ela mantinha esse noivado à distância, namorava comigo e, além disso, ainda se relacionava (não sei até que ponto) com uns três caras ou mais. Busquei nomes, levantei provas, embora ela tentasse, de maneira desesperada, negar essas evidências.
Dessa forma, tudo passou a fazer sentido para mim, os sumiços repentinos, as suas armações, todas as contradições... e até aquela aliança de noivado que a “vagaba” passou a usar de uns tempos pra cá, fazendo-me crer que era apenas para inibir qualquer paquera, uma vez que não podia declarar que estava comigo. Sem falar da falsa história dos empregos que ela dizia arranjar, apenas mais um pretexto para me enganar e me colocar fora de ação. 
Nem me surpreendi tanto assim, da mesma forma que investiguei e acabei descobrindo também que ela - pasmem - tinha três anos a mais. Enganou-me o tempo todo até com a própria idade. Bandida. Sorte dela eu não ser um cara violento, intolerante, pois outro a teria espancado e quebrado os seus dentes. Descobri ainda que a dita cuja não agia sozinha. Suas tramas eram quase sempre compactuadas com uma cúmplice, uma amiga sua de infância e a qual não deixei de fora dessa história sórdida. Dei um jeito de acabar definitivamente com a amizade/cumplicidade das duas.
Pelo que pude constatar até então, havia uma verdade em meio a isso tudo: moralmente ela já não podia mais considerar-se uma garota virgem, apesar de que buscou fundamentar sua defesa justamente nisso, em seu próprio conceito (físico) acerca de virgindade. Inclusive, até cogitou em fazer exames clínicos para poder comprovar, enfim, a sua “pureza e inocência”. A falta de caráter e de remorso eram de fato as suas principais características. Confesso que nunca transamos (não da maneira convencional...), e que realmente nunca chegamos às “vias de fato”, ainda que não tenham faltado oportunidades para tal. Isto, e apenas isto, repito, era algo que ela desejava realizar somente depois de casada, e obviamente que não seria comigo.
Por fim, tudo foi esclarecido e muita coisa foi desvendada. A princípio, decidi que não contaria nada para ninguém, principalmente para o pobre noivo, até porque a sujeita prometeu que se mataria se assim o fizesse. Naturalmente fiquei com medo. Embora que, na ânsia de fazer justiça, acabei me precipitando no ato da descoberta, havendo deixado algumas pistas no Facebook do rapaz, e até no de seus familiares (ela me forçou a isso, indiretamente), algo que procurei desmentir logo em seguida, mesmo a contragosto. A verdade é que eu não pude suportar aquela cena, de ver a garota que tanto amei numa situação tão triste e, ao mesmo tempo, tão constrangedora, humilhando-se aos meus pés (literalmente), implorando para que eu não “estragasse a sua vida”. A minha vida, no entanto, jamais significou nada pra ela...
Diante disso, percebi que ela tinha um vínculo muito forte com a família do noivo. Por serem evangélicos, gente super do bem, há muito eles a enxergavam como uma fiel serva de Deus, o que acabou me comovendo a ponto de deixá-la em paz. Para tanto, fiz um pacto com ela e com sua irmã, de forma que deixaria tudo como estava. Bastaria apenas que ela se comportasse e passasse a andar na linha. Não foi exatamente isso o que aconteceu.
Alguns dias depois, alguém mais que sabia do acontecido e que não se conformava com o abafamento do caso, se encarregou de revelar ao jovem noivo (através de torpedos via SMS, segundo ele) sobre essas traições, uma vez que a moçoila não parou de “experimentar” novas sensações. Tão logo soube desse fato, em seguida ele me telefonou e me procurou para conversarmos.
Esse nosso encontro marcado se deu no Bar e Churrascaria Paulistano, bem próximo de onde moro. Eu sabia que o diálogo seria tenso e por isso mesmo, busquei não levar esse problema até os meus pais. Mas o pior foi vê-lo chegar acompanhado da fulana e de uma amiga dela, as quais não permiti, de maneira alguma, que participassem da conversa. A intenção da ordinária era simplesmente interferir na minha fala e tentar amenizar sua situação, que a essa altura, não era das melhores.
Visto que o rapaz se encontrava alterado, visivelmente transtornado (e com toda razão), abri logo o jogo e contei-lhe tudo o que desejava saber, alegando que fomos igualmente enganados. Mostrei-lhe também algumas das mensagens de celular que ela havia me mandado ao longo desse tempo, as quais eu havia guardado imaginando um fim semelhante. Ele exigia provas, e ao mesmo tempo, parecia não querer acreditar naquilo tudo. Foi horrível! Disse-lhe ainda que se não pudéssemos ser amigos, também não precisávamos nos tornar inimigos.
Agora percebo que a ficha caiu de vez. Nada mais será como antes. É como se tudo houvesse sido profetizado, sei lá. Pois, quando ela resolveu aparecer na minha casa logo pela manhã, naquele bendito dia 6 de outubro, primeiro domingo do mês (algo que nunca tinha feito antes), eu senti que alguma coisa estranha estava pra acontecer. Meu pressentimento nunca falha nesse sentido. Eu havia dito que estaria sozinho em casa, e que lhe presentearia com uma bela surpresa, por isso ela apareceu. O curioso é que ela já chegou dizendo que aquele seria o nosso último encontro, o nosso último “fica”, sem imaginar que no dia seguinte eu iria descobrir toda a sua farsa.
                                 ...
        Hoje, sábado, dia 28 de dezembro de 2013. Não faço a mínima ideia de onde ela se encontra, ou com quem está nesse momento. Se o noivo a aceitou de volta, isso eu sequer procurei saber. Só sei de mim e isso me basta. Realmente é como diz o ditado popular, melhor estar só do que mal acompanhado.  


10 comentários:

  1. Meu irmão, você foi tão sincero e tão verdadeiro com ela, manteve esse relacionamento confuso até o fim, sempre respeitando quem não te respeitava. É isso, você entregou o seu amor a quem não merecia, alguém que foi tão cruel a ponto de te trair dessa maneira absurda. Você com o coração cheio de amor para dar e no fim, ela só te retribuiu com espinhos. Siga em frente, não desista nunca! Você ainda vai encontrar uma pessoa que te ame de verdade. Bom Ano Novo pra você!!

    ResponderExcluir
  2. Disse algumas vezes e continuarei dizendo torço muito pela sua felicidade meu amigo,essa pessoa não te merecia,sei muito bem que nos apegamos muito por pessoas sem futuro,por assim dizer,mas creio em DEUS que vc vai sim um dia conseguir alguém que te mereça e a quem vc mereça de verdade.Feliz ano novo que Deus te abençoe e que o ano que vem seja bem, bem mesmo melhor que este.Bjos.

    ResponderExcluir
  3. https://www.facebook.com/28 de dezembro de 2013 19:44

    Amigo, você foi sincero e não enganou ninguém. Isso é o que importa! Com certeza, a vida ainda vai colocar pessoas muito boas no teu caminho e pra essa garota só tenho uma coisa a dizer: "cada um colhe o que planta". Um dia, ela vai colher tudo o que está plantando agora! Desejo a você tudo de bom e que 2014 te traga muitas surpresas AGRADÁVEIS! Abs

    ResponderExcluir
  4. http://www.youtube.com/watch?v=gs2bj0508_4
    Paulo,essa musica descreve perfeitamente sua historia.

    ResponderExcluir
  5. Paulo vc encontrara a pessoa certa é só questão de tempo,torço por vc meu amigo ...

    ResponderExcluir
  6. A sobrinha "detetive" desta história sou eu. Mas não me sinto nem um pouco orgulhosa por isso, já que as descobertas que fizemos foram as piores possíveis. Que mulherzinha imunda! Eu soube inclusive que ela acabou se casando com esse rapaz de quem tava noiva. Coitado... Desejo muita sorte pra ele, e mais ainda pra você, meu tio. Beijos!!

    ResponderExcluir
  7. Realmente Paulo seixas, ela errou, mas, percebo que você sempre "soube" que ela o enganava e mesmo assim decidiu ficar com ela. Entendo seus sentimentos, no entanto, não acredito que a culpa não foi dela. Me perdoe, eu nem a conheço, mas penso que não devemos responsabilizar outras pessoas pelos nossos atos: Você decidiu seguir em frente com toda desconfiança do mundo e de certa forma foi bom para você. Pense em tudo o que você aprendeu com esta experiência e esqueça qualquer mágoa ou ressentimento. Siga SUA VIDA e tente ser feliz com a certeza que você é o único responsável por essa felicidade! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Realmente é uma garota de mente nada sadia.Enganar,mentir,eu diria até assim,fazer de BOBOS várias pessoas ao mesmo tempo,parece uma peça do Nelsom Rodrigues.Não fique triste por tudo acabar dessa forma,foi Deus que te livrou de uma mulher mundana,pois no fundo é isso que ela é.E com aquela carinha de "santa",quem diria né? Mas você encontrará a felicidade,não desista dos seus sonhos...bjs!!!

    ResponderExcluir
  9. Paulo Seixas quando ouvi essa música me lembrei da sua história http://youtu.be/Kjs7QhpM4Q4 !

    ResponderExcluir
  10. Garota sádica, astuta... Confesso que, no seu lugar, não teria tanta tolerância com alguém tão dissimulado por tanto tempo... Mas, analisando seus motivos, ah! O tal do amor... Bichinho complicado esse... Imaginei que o desfecho desse "romance" terminaria mais ou menos assim, mesmo; com a verdade vindo à tona. Seria o mínimo esperado com tantas mentiras envolvidas a essa despudorada. Agora, é como dizem: "O passado é lição para se aprender, não para se repetir."
    Mais uma vez, boa sorte pra ti e, cuidado a quem entrega seu coração, meu caro; não é todo mundo que vai estimá-lo. (y)

    ResponderExcluir