quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

POSTAGEM COMEMORATIVA - TRÊS ANOS DO BLOG LITERÁRIO PAULO SEIXAS


   HOJE, 18 DE DEZEMBRO DE 2013, TRÊS ANOS DO
BLOG LITERÁRIO – e interdisciplinar PAULO SEIXAS -
UMA POSTAGEM SUPER EXCLUSIVA

        Utilizando-me apenas de pronomes e alguns adjetivos desprezíveis (#$@$%$#), consegui narrar toda uma trajetória amorosa/sentimental que vivi com certa pessoa, a qual, felizmente, sumiu da minha vida para sempre. Iniciei esse texto dois meses antes do fim...  

                    SOBRE ALGUÉM NADA ESPECIAL...  
        UM ROMANCE DA VIDA REAL - 1ª PARTE

           Capítulo I

Por ela eu abria mão de tudo, qualquer coisa que fosse, pois nada mais me interessava quando estava do seu lado. Eu faltava ao trabalho, à faculdade, às obrigações do dia a dia... deixava, inclusive, de atender o meu próprio celular, porque a prioridade era dar atenção a ela, cobrindo-a de carinho e afeição. Por sua vez, ela nunca abriu mão de nada por mim, por algo mais insignificante que fosse. Pelo contrário, qualquer bobagem era mais interessante, mais importante do que eu. Era notório aquele seu egoísmo. E ainda dizia que me amava...
          Se ela tivesse sete chances de me ver na semana, reservava uma para mim. Era mesmo assim, de uma “generosidade” inigualável comigo. E o que a infeliz fazia com o restante dos dias, somente Deus e ela é que sabem. Como se tratavam de encontros escondidos (por imposição dela), creio que, provavelmente, ela devia hesitar um pouco. Tinha medo, talvez, de ficar “manjada” na rua, à medida que viesse com mais frequência na minha casa. Sim, a casa dos meus pais, esse era o único lugar possível onde podíamos nos encontrar. Nosso refúgio e porto seguro, o ambiente onde ela sentia-se mais tranquila. Primeiro, porque era bem recebida por todos, e segundo, porque podia confiar em mim (infelizmente, nunca pude ser recíproco nessa questão).
Desde que a conheci não me lembro de haver passado um só domingo, feriado ou qualquer outro dia festivo ao seu lado. Como já deixei bem claro, ela me trocava por qualquer coisa, festinhas, passeios com as amigas, baladas... e até por um telefonema. É que os seus “amiguinho(a)s” estavam sempre em primeiro lugar, despertando em mim uma mistura de ciúmes e ódio simultâneos. Essas suas atitudes suspeitas, por si só, já se caracterizavam como uma traição. Fico aqui, imaginando o que ela escondia de mim, as verdadeiras histórias que não me revelava. Tudo bem. O que os olhos não veem o coração não sente, não é? Pois bem, o único problema é que EU NÃO NASCI COM VOCAÇÃO PRA SER CORNO!
Agora eu me pergunto: Se eu não podia contar com a sua presença em alguns momentos importantes da minha vida, então pra que ela iria me servir? Reconheço que, por vezes, eu sentia um medo terrível de perdê-la, não gostava nem de pensar nessa possibilidade. E o pior é que eu demonstrava isso. Eu vivia em suas mãos, diga-se de passagem.
De uma pessoa que mente e esconde os fatos, podemos sempre duvidar, sem corrermos o risco de fazer um pré julgamento e uma avaliação precipitada. E ela sempre foi assim, uma mentirosa compulsiva, uma garota possivelmente com algum distúrbio mental, ou falta de caráter mesmo. Dizia-se religiosa, e que frequentava semanalmente uma igreja evangélica, embora eu considerasse isso uma blasfêmia perante Deus. Mas o pior mesmo era ter que suportar o seu vício com o celular, uma das causas de tanta discussão entre nós, e um dos principais motivos (creio eu) que a fez se afastar de mim mais uma vez.
Por não termos nada assumido, nenhum vínculo que pudesse lembrar um namoro tradicional (apesar de que eu, tantas vezes, implorei para que ela ficasse comigo de verdade), por isso mesmo, ela sentia-se livre e no direito de fazer o que bem queria. Para ela não havia limites, usando sempre aquela máscara de menina ingênua e, para todos os efeitos, livre e desimpedida.  Eu não sei ao certo o que ela pretendia com aquilo, embora dissesse que não aceitava galanteios de ninguém. Eu dava-lhe liberdade até demais, respeitando, enfim, quem não me respeitava.
As ligações recebidas em seu celular eram constantes. Muitos “amigos” solicitando a sua presença sabe-se lá onde. Sem falar nas mensagens de SMS, algo que ela escondia de mim com fervor. Mas não demorou muito para que eu percebesse que estava sendo passado pra trás dentro do meu próprio lar. Eu ali, completamente apaixonado, sendo traído de alguma maneira por uma garota insensível, sádica. E o que mais me impressionava é que aquilo para ela era tudo muito natural, como se os meus sentimentos não tivessem nenhum significado. Como diria o LIXO MUSICAL que ela escutava, “Cara de santa, mas não engana não...” A sua personalidade era influenciada pela “música” negativa que ouvia.
          
           Capítulo II

Quando a conheci, ela ainda era menor de idade, mas tinha suas ideias e conceitos já bem definidos. Lembro-me como se fosse hoje, naquele ônibus... uma aproximação eu diria, um tanto “fácil” demais para o meu gosto (Isso aconteceu entre os meses finais de 2011). Entre uma conversa e outra, marcamos de nos encontrar qualquer dia, para nos conhecermos melhor. Inicialmente eu via aquilo como uma simples amizade, pois não se passava jamais pela minha cabeça que eu acabaria vivendo um romance com aquela menina. Porém, na data marcada deste encontro ela não compareceu, vindo se justificar muito tempo depois.
Por volta de março/abril de 2012, quando decidi participar da política em Queimadas como candidato (que furada!), comecei a “recrutar” todos os amigos e conhecidos até então, ligando para vários deles, na intenção de me darem uma força nas urnas. E lá estava o telefone da mentirosa, para quem eu liguei e me atendeu super bem. Marcamos então um novo encontro ao qual, desta vez, ela compareceu prontamente (no mesmo lugar de antes, uma sorveteria na rodoviária velha, em Campina Grande). Precisava mostrar-lhe algumas ideias e projetos no meu notebook, e esse foi um bom pretexto pra gente se ver. Ela pouco se importou com o que lhe apresentei.
Por insistência minha, passamos a nos encontrar por mais vezes. Eu a tratava como uma princesa, visto que ela se declarava uma garota “virgem”, alguém com quem eu não ousaria, tão logo, tentar “avançar o sinal”. Nosso primeiro beijo surgiu quando a levei pra conhecer minha faculdade, à época, no bairro de São José, em Campina, não muito longe de onde eu moro. Porém, ela acabou se “adaptando” melhor na minha casa, especificamente no meu quarto, pois se recusava em me abraçar e me beijar perante os outros. A essa altura, era como se dizia antigamente, um namoro de adolescentes, um encantamento que depois viraria um tormento na minha vida. O demônio logo se revelaria...
 A diferença gritante de idade entre nós não era nenhum empecilho, apesar de eu saber o porquê dela não se incomodar em nada com esse pequeno detalhe. Por se tratar de um romance basicamente escondido, isso a isentava de qualquer constrangimento. Duvido muito que algum dia ela pretendesse me apresentar a alguém, amigos e familiares, ou simplesmente, andar comigo de mãos dadas.
Encontramo-nos dezenas de vezes, durante quase todo o ano de 2012, o que resultou numa completa dependência minha diante dela. Cometi a burrice de me apaixonar perdidamente pela pessoa errada, na medida em que crescia o nosso grau de intimidades. Eu sabia o que estava fazendo, porém parecia não querer enxergar o óbvio. Mas o pior ainda estava por vir. 
            
 Capítulo III

Até que, em janeiro deste ano, ela simplesmente sumiu, desapareceu da minha vida. Sofri muito com isso, mas decidi não procurá-la nunca mais. Meu orgulho estava em jogo, e eu não podia me revelar um fraco. E assim, resolvi tentar tirá-la de vez da minha cabeça, pois sabia que, mais cedo ou mais tarde, eu acabaria esquecendo-a. Segundo a sabedoria popular, o tempo é o senhor da razão, só ele pode determinar tudo.
No entanto, dia 06 de junho deste ano, ela me ligou. Até já havia apagado seu número da minha agenda. Ao reconhecer sua voz, imediatamente desliguei, mas não antes de dar-lhe uns bons esculachos. A partir daí ela começou a me enviar vários torpedos, implorando por uma volta (Até por precaução, arquivei essas mensagens no meu celular. Possa ser que um dia eu precise delas...). Entre elas, perguntava-me se ainda tinha chances comigo, pois desejava como nunca ser feliz ao meu lado. PQP!
Acontece que eu havia encontrado algumas fotos suas em um Facebook (um de tantos que ela possuía), onde ela afirmava ter voltado com o seu ex, um carinha da igreja e que, provavelmente, fora seu primeiro namorado. Essas fotos, um tanto atuais, foram postadas em novembro/dezembro do ano passado. O que, naturalmente, comprovavam uma traição. É constrangedor para mim ter que admitir isso, o fato de eu ter sido traído assim, dessa maneira, mas com uma ressalva: Eu nunca confiei plenamente nela, algo que sempre procurei deixar bem claro. Sobre essas fotografias, ela sempre me negou qualquer explicação. E ainda me veio com uma desculpa esfarrapada de que precisava se “vingar” desse seu ex e por isso, precisou se afastar de mim para não ter que me trair. Maldita. Até hoje nunca procurei entender nada disso.
O fato é que, durante esse afastamento, ela procurou saber de tudo a meu respeito, inclusive que eu estava sozinho (pra variar). E assim resolveu infernizar a minha vidinha metódica mais uma vez, dizendo-se uma pessoa completamente mudada. Putz! O pior foi ter que engolir tudo isso e aceitá-la de volta, pois já não me aguentava de tanta saudade daquela desgraçada.

           Capítulo IV

No início foi até bom, ela se mostrava realmente esforçada em mudar, agraciando-me com atitudes um tanto “maduras”, alimentando em mim todo e qualquer desejo contido. Tinha dias que tava mais carinhosa comigo, outros nem tanto. Eu a desejava por demais. Acabou-se então o mês de junho, julho, entrou agosto. E aquele seu celular maldito sempre insistia em tocar quando estávamos juntos (com toques bem discutíveis). Ela então me largava e parava pra atender, qualquer chamado que fosse, o que acabava ocasionando sérias brigas, no mínimo, uma DR. Diante dessas circunstâncias, tão logo eu iria ter que optar, ou ela ou a minha saúde.
Reunindo o restinho de dignidade que ainda me sobrara, por duas vezes decidi terminar com tudo, já que ela não me ouvia mais e tampouco, iria querer me assumir um dia como namorado. Mas ela sempre dava um jeito de contornar a situação, e acabava me convencendo a continuar. Volto a repetir aquele ditado, o que os olhos não vêem o coração não sente...
Cheguei ao ponto de ter que bloquear o seu Facebook “oficial” do meu, um dos únicos contatos que tínhamos, pois já não suportava mais ver tanto sujeito “cantando” a garota que eu amava. É que ela dava motivos para isso. Nas últimas semanas, eu também já nem ligava mais para ela, pois quase sempre o seu requisitado celular estava ocupado. E aquilo me irritava por demais. Eu apenas retornava as suas poucas ligações à cobrar, onde geralmente era para me pedir alguma coisa. As 24 horas do dia eram poucas para ela no celular.
Se eu a encontrasse na rua, por acaso, sua atenção redobrava, pois ficava preocupada com minhas atitudes, com minhas palavras. Inclusive, eu procurava nem andar do seu lado, visto que não podia mesmo demonstrar qualquer forma de carinho, de afago, como um simples abraço. Entretanto, eu tinha que aturar os olhares cruzados para ela, de homens visivelmente com segundas intenções. Ela parecia querer me provocar, sempre, desmanchando-se em simpatia para todos.

           Capítulo V

Hoje, dia 13 de agosto/ 2013, resolvi parar um pouco e tentar escrever este desabafo. Já faz alguns dias que ela sumiu novamente, e agora sem volta, já que eu ameacei contar esse nosso caso para certa pessoa (sua irmã mais velha), caso ela me deixasse e tentasse voltar. Não vou permitir que ela bagunce de novo a minha vida. Como já lhe disse um dia, é melhor sofrer de uma só vez do que parcelado, como era ao seu lado.
Após qualquer discussão nossa, eu sempre lhe perguntava: Afinal, o que queres e o que sentes por mim? Ela então me respondia, invariavelmente, com um beijo acalorado, e eu acabava entendendo aquilo como sendo uma resposta. O tempo foi passando, a gente já não se entendia mais e, enfim, não deu. Era muita concorrência pro meu gosto. Eu a amava muito, sinto que aquilo era mais do que uma paixão. Era algo que doía em mim por dentro, que queimava em meu peito. Eu vivia pra ela e por ela, e isso é tudo que posso dizer. Mas nem por isso, nunca admiti o fato de ter que dividi-la com ninguém.
Se ela realmente me traiu mais uma vez, fisicamente falando, deixarei por conta de sua consciência. Da minha parte, nunca tive o que esconder. Inclusive, durante todo esse tempo, abstive-me sexualmente por amor a ela, um gesto de carinho e dedicação que somente eu entendia. Jamais olhei para outra mulher enquanto estivemos juntos, nesse nosso “fica” eterno que durou, ao todo, mais de um ano. Não costumo conviver com culpas ou arrependimentos.
Tenho certeza de que lhe ensinei muita coisa bacana, transmitido-lhe algumas experiências e alertando-a de todos os perigos possíveis, numa tentativa inútil e desesperada de afastá-la daquilo que não prestava, das coisas fúteis que ela praticava e que só viriam a prejudicá-la depois. Mas a sua cabecinha ingênua parece que nunca absorveu nada do que eu disse durante todo esse tempo.

           Capítulo VI

Cerca de um mês atrás, senti-me obrigado a estabelecer algumas regras de convivência entre nós, “impondo-lhe” também aquilo que denominei de

     OS 10 MANDAMENTOS DO BOM RELACIONAMENTO

1 – Não mentir, jamais.
(Minta para mim somente quando eu mentir para você)
2 – Não me esconder, nem omitir algo que seja do meu interesse. Jogar limpo.
3 – Não atender celular enquanto estivermos juntos, principalmente em horário impróprio. Salvo algum telefonema importante.
4 – Não trazer pra esta casa músicas torpes, que mais combinam com prostitutas.
5 – Pontualidade nos compromissos.
6 – Sua vida social, seus amigos, especialmente homens, não me interessam.
7 – Não me prometer, NUNCA, aquilo que você já sabe de antemão que não vai poder cumprir.
8 – Não iniciar comigo NADA que você não queira terminar...
9 – Sem brincadeiras de mau gosto, do tipo tapinhas na cara, arranhões e outras.
10 – Estar sempre aberta para dizer o que pensa, mesmo que seja pra acabar com esse romance escondido.


        Enfim, de nada isso adiantou. Por incrível que pareça, ela não cumpriu absolutamente nada do que leu, até por pirraça. Ela não era do tipo que gostasse de dar qualquer satisfação dos seus atos. E quando dava, geralmente era mentira. Pobre coitada! Vai sofrer muito ainda nessa vida. Ela se acha auto-suficiente demais para não precisar sequer de um conselho. Se tivesse, ao menos, um pouco mais de conhecimento, jamais iria pensar desse jeito.
Disse-lhe certa vez que nenhum rapaz sério com o qual ela pretendesse namorar, um dia, iria aceitar 1% das humilhações que me fez passar. Mentiu demais pra mim, ultrapassando todos os limites permitidos. Fez-me sofrer muito. Mas acabou, felizmente.
Aquela menina egoísta que um dia conheci, narcisista por natureza, e que sempre afirmou não confiar nos homens (suas companhias erradas parecem não contar), só soube o que foi sofrer, de verdade, quando no ano passado perdeu um ente querido, algo que só pude mesmo acompanhar à distância (eu era proibido de manter contato com os seus familiares. Com exceção da cidade, até hoje eu não sei sequer onde fica a rua em que ela mora). Fora isso, afirmo com toda convicção que não há mais ninguém nesse mundo com quem ela possa se preocupar. Ela não ama ninguém, pelo contrário, ela se ama exageradamente.
Há uma frase que diz assim: “Amor não correspondido vai virando tudo em deserto...”  É dessa forma que enxergo a inutilidade dos meus sentimentos para com ela. Quanto tempo perdido... E somente agora consigo parar e perceber isso melhor. Antes tarde do que nunca! Melhor mesmo é pensar no meu TCC, na conclusão do meu Curso e, depois, encontrar uma mulher que mereça os meus sentimentos mais puros e verdadeiros. E que estes não venham a ser jogados no lixo mais uma vez.
                    
“...O ódio não é o real, é a ausência do amor!” (Raul Seixas)

Capítulo VII

Dois dias após haver escrito este desabafo, e contradizendo muita coisa do que disse, EU resolvi ligar para ela. Precisava saber, de alguma forma, o que tinha acontecido desta vez. Pra minha surpresa, ela me atendeu como se nada tivesse acontecido, porém não me explicando o motivo do desaparecimento. No dia seguinte veio na minha casa, onde a recebi com uma falsa história de traição que eu havia cometido, algo que eu já vinha prometendo fazer seriamente há um bom tempo. Queria testar os seus sentimentos. Ela então chorou (lágrimas de crocodilo? Vai saber...), disse que ia embora pra sempre e que eu não tentasse impedi-la. E assim, a segurei pelo braço, beijei-lhe calorosamente e... mas isso é uma outra história.

Não percam na próxima postagem o desfecho inimaginável dessa história, com uma revelação digna de novela das 9 e que irá surpreender a todos. Até lá!

 

18 comentários:

  1. Paulo, gostei muito do seu texto. Infelizmente, acredito que você tenha sofrido muito, mas, segundo a teoria de Schopenhauer, toda boa criação é fruto de dor. Essa experiência dolorosa serviu ao menos para que você nos presenteasse com mais um dos seus maravilhosos textos, que nos dá sempre um gostinho de "quero mais". Quanto ao conteúdo da história que você acaba de nos relatar, só tenho um conselho a te dar (se você me permite, claro): guarde seu coração, amigo. Já dizia o sábio Salomão que, de todas as coisas que se deve guardar, o coração é a principal. Quero dizer com isto que espero que você guarde seu coração para a pessoa certa, aquela que vai te dar valor e te amar do jeito que você é. Aquela que poderá querer que você mude, mas vai mudar primeiro, por amor a você. Não sei se já te disse antes, mas, quando eu era pequena, tinha medo de você, pelo seu jeito "maluco beleza". Hoje, sou uma pessoa madura e posso dizer que você é um "maluco beleza" do bem (Rsrsrsrs). Por isso, te desejo toda a felicidade do mundo e espero que você encontre logo a pessoa que merece todo o amor que você tem pra dar! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, vc merece tda felicidade do mundo..bjsss

      Excluir
  2. Állis Karla B. Medeiros18 de dezembro de 2013 13:47

    Paulo Seixas, você não pode culpar a garota porque aceitou e se submeteu as imposições dela. Mas, segundo Pascal," o coração tem razões que a própria razão desconhece" e não me acho no direito de Julgá-los. Ansiosa pelo desfecho da novela das nove. Abraços...

    ResponderExcluir
  3. Essa tua historia da uma novela amigo paulo, vou juntar a minha com essa sua ai sim vamos parar no horario das 21:00 da rede globo e vai ser um sucesso viu! Abraco meu amigo

    ResponderExcluir
  4. Paulo meu amigo!!! Mesmo sabendo alguns detalhes dessa história foi muuuito bom ler seu texto, um belo texto como sempre!! Foi mais uma experiência de vida para vc... sua felicidade completa vai chegar, vc vai ser feliz, pode crer!! Estarei sempre torcendo por vc, pela sua felicidade, pelo seu sucesso... vc sabe disso! Nunca esqueça: "Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus""! (Eclesiastes, 3,1)
    Te admiro muuuito!!
    Aguardando ansioooosa pelo desfecho final!! rsss

    - Roselita Flor

    ResponderExcluir
  5. Paulo tu é um "besta".
    Vi aqui, nestas palavras, um romancista de classe.
    Quem dom!
    Que fazes tu que não se aventuras por este mundo da literatura?
    És um cabra para o sucesso!
    Ainda não se apercebesse?
    Texto sem por cento e de uma coerência ímpar, plural.
    Parabéns grande!
    Continue escrevendo, você vai longe...

    ResponderExcluir
  6. É difícil achar um homem q dê valor a uma mulher. ..ela é mt nova...Depois vai se arrepender de ter perdido um cara como vc...Belo texto!

    ResponderExcluir
  7. Paulo gostei muito do teu texto.Exprime muito bem os teus sentimentos e também os teus ressentimentos.Sei que pode até soar repetitivo,creio que já tenha escutado muito as pessoas dizerem o que vou repetir agora,um dia vc realmente vai encontrar alguém que te mereça e com certeza estarei aqui torcendo por tua felicidade.No mais estou aqui também para te parabenizar meu amigo pelo aniversário deste teu filho: TEU BLOG e também por teus textos que são divinos.Te digo mais,só tenho que te agradecer pela amizade e carinho que tivestes comigo durante nossa convivência,sinto muito sua falta e uma dia ainda quero rever todos vcs.
    P.S Não se preocupe, estarei sempre por aqui,ainda que não comente o conteúdo,mas estarei sempre a ler,pois adoro seus texto.

    ResponderExcluir
  8. Paulo Seixas, camarada... Ao ler tamanho desabafo, amplamente fragmentado de desapontamento e ilusão em suas entrelinhas, eu me questiono: "Como pode, alguém como você, ter se deixado levar por alguém tão desprezível para com sua pessoa??" Mas, por outro lado, compreendo que o coração do ser humano é aguerrido de vulnerabilidade e ansioso por afeto, porém, acho que você poderia ter prestado um pouco mais de atenção nesse relacionamento a partir do momento em que ela começou a evitá-lo e, posteriormente, na confiança, que ela não ofertava nenhuma. É notória a indiferença dela (desde o início) para com você. Mas não quero, nem tenho o direito de julgá-lo, Os caminhos amorosos, às vezes, são tortuosos demais e o camarada pode mesmo ficar meio confuso, ainda mais você, que a amava (ou ainda ama, não sei...) e tinha por ela tanto apreço... Compreendo perfeitamente e, certamente tudo isso lhe servirá de aprendizado, o fará crescer mais. Só espero que, na próxima, analise os fatos. Se ela não fizer por você nem metade do que faz por ela, e nem te oferecer confiança, opa! Sinal vermelho, amigo! Se reconhece uma mulher de valor por seus atos. Sinto muito por nessa você ter amado sozinho, aliás, o que ela sentia por ti não era amor; eras só uma distração, passatempo pra ela. (desculpe a sinceridade). Ame, mas também AME-SE. Espero que encontre a pessoa que tanto procuras e que a próxima história que venhas a escrever aqui seja de felicidade, realizações, um amor real.
    Boa sorte pra ti, poeta! ;)

    ResponderExcluir
  9. Paulo Seixas parabéns pelo texto rico em detalhes.... Pois é infelizmente todo mundo sofre por amor, a vida é assim fazer o que??? Anciosa com desfecho desse romance ...

    ResponderExcluir
  10. Oiiiiiiiiiiiiiii Paulo! Li várias vezes todo o seu texto para entender, como alguém pode jogar fora, um amor tão lindo como esse amor que você dedicou a essa garota.Diante disso tudo só posso dizer:ELA É UMA BOBONA.O sonho de toda mulher é ser amada assim como você a amou,numa entrega total sem reservas não é mesmo? vou ficar aguardando o desfecho dessa história triste mas muito linda...bjs!!!

    ResponderExcluir
  11. Paulo meu amigo, esta sua história sentimental/amorosa dava para ser um roteiro de novela. Eu poderia dizer aqui que você foi muito besta etc, mas sabe, é difícil encontrar um homem como você que dá valor aos detalhes, ao romantismo, ao namoro apaixonado... Eu te parabenizo por você ter se mantido firme, como você mesmo disse: " Não costumo conviver com culpas ou arrependimentos." você fez a sua parte, como um homem verdadeiramente apaixonado faria. Eu desejo toda a felicidade do mundo para você, porque você merece! Ela por ter te humilhado e brincado com seus sentimentos da forma como brincou, um dia poderá sofrer algo parecido e irá lembrar de você. O burro não foi você em se permitir apaixonar por ela, mas ela quem cometeu a tamanha burrice de não te dar valor e fazer o que fez. Eu já sabendo do final desta história até um tanto hilária posso dizer, a vida dá voltas Paulo, quem sabe um dia ela não volta arrependida e declarando um amor apaixonado por você... e a essa altura, creio eu que você poderá passar na cara dela o que ela friamente te fez sofrer.

    ResponderExcluir
  12. Paulo, vendo apenas parte do seu texto (não tive saco para ler na integra, visto que o conteúdo é bem explícito) não tenho que comentar algo a respeito ou julgar quem está certo ou errado. No amor, não se erra, não se acerta... SE VIVE. viva o amor. E quando ou se acabar, um outro surgirá. Ou ao menos dê espaço para que a vida siga o seu curso. Não confunda isso com esquecer das pessoas (nunca esqueceremos) essas estarão sempre num cantinho um tanto quanto especial, mas acima de tudo, viva! ou se preferir faça como eu: sobreviva!

    ResponderExcluir
  13. Amigo,a vida é cheia de pessoas que não dão o mínimo valor aos nossos, não só na vida afetiva com também na vida social e de trabalho. Meu pai, das vezes eu que eu também quebrei a cabeça por conta de paixões, me ensinou que a gente só deve gostar de quem gosta da gente, e tratar os que não se importam conosco de forma educada, mesmo que isso seja contra a nossa vontade. É difícil falar a respeito, mas acredito que você é uma pessoa pura e merece alguém que valorize a sua pessoa. Tenha força, e supere este tormento com outras coisas( se possível com esses textos tão bons e gostosos de se ler). Há tempos que não venho prestigiando o seu blog como mais assiduidade, até lhe peço desculpas pelo meu lapso, a quantidade de leituras que eu tenho é grande e por vezes não me deixam apreciar leituras mais gostosas de lerem, como essas postagens suas. Um grande abraço e fica com Deus!

    ResponderExcluir
  14. Paulo, infelizmente, ainda são poucos (se é que existem) os seres humanos que conseguem comandar seus sentimentos. Você realmente sofreu, mas foi uma escolha sua, no seu íntimo você (até o limite do limite) achava que as coisas boas compensavam toda falta de caráter e, talvez, de sentimento dela para contigo. Quanto a ela amar a si mesma, eu discordo de você. Acho que quem realmente se ama também tenta amar o outro como deseja ser amado, ou, no mínimo, procura respeitar os sentimentos alheios. Mas tudo nessa vida é aprendizado, e se você aprendeu sofrendo, sua experiência servirá, para aqueles que desejarem, perceber que existem pessoas de todo tipo realmente, e que a novela das 9 também exibe muito do que acontece na vida real. E como bom crítico, todo ser humano deveria ver as coisas, as circunstâncias, a ficção para tentar extrair o que de bom há para o nosso dia a dia, e não somente punir, ser radical ou seguir ao pé da letra um determinado modelo. Que em 2014 você tenha novas experiências sentimentais que realmente valorizem seus sentimentos!

    ResponderExcluir
  15. É, meu caro, primo... Quando sofremos, parece que nossa inspiração aumenta consideravelmente, de tristezas são feitos os melhores textos, digo por experiência própria.
    Se eu continuasse ativa no meu blog entenderias do que falo.
    Mas.. Como todos, ansiosa pelo término desta história. ;)

    ResponderExcluir
  16. Parabéns Paulo, o texto é simplesmente FANTÁSTICO, Sou seu fã.

    ResponderExcluir
  17. Paulo, esse seu texto ficou hilário! Sei que você realmente passou por tudo isso, você é um sobrevivente, kkkkkkkkkkk! Parabéns! :)

    ResponderExcluir