domingo, 1 de janeiro de 2017

REDAÇÃO ANTIGA - UM FILME POLÊMICO

                                UM FILME POLÊMICO

Dentre as produções cinematográficas brasileiras mais aguardadas para este final de ano (há menos de um ano das eleições presidenciais, diga-se de passagem), destaca-se, com certeza, o longa metragem Lula, o Filho do Brasil, uma superprodução baseada na biografia do nosso então presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva.
Fundamentado em fatos reais, o filme narra a trajetória de Lula desde a sua infância pobre no interior de Pernambuco, lembrando mais tarde seus tempos de militância sindical no ABC paulista, em São Paulo, durante a década de 1980. Com destaque principal para sua prisão durante a ditadura militar, quando ele então tinha 35 anos de idade.
Como toda grande realização desse porte, o filme é patrocinado por algumas das maiores empresas privadas do país, o que acaba gerando muitas suspeitas, deixando uma margem de desconfiança sobre a qual alguns chegam, inclusive, a afirmar que a história filmográfica de Lula nada mais é do que um pretexto, uma maneira estratégica de enaltecer a sua figura como presidente da República, apelando para a sensibilidade do povo brasileiro. Seria, então, um filme produzido especificamente com fins eleitoreiros, sem maiores preocupações talvez, com a crítica, premiações ou mesmo com bilheteria.
Cabe aos produtores e diretores desse projeto provarem o contrário, que o filme realmente tem conteúdo e compromisso com a sétima arte, provocando emoções instantâneas e verdadeiras no telespectador, sem precisar recorrer ao uso de apelações ou subterfúgios que possam vir a comprometer a qualidade do mesmo. Até porque não há como discordar da coincidência de datas, uma vez que o presidente Lula pretende apoiar, daqui a poucos meses, uma mulher para ocupar a sua vaga, a atual ministra da casa civil, Dilma Rousseft.
Enfim, o atual cinema brasileiro, o qual vem se destacando consideravelmente na produção de filmes de sucesso, de crítica e de público, só tem a agradecer. E irá exibir brevemente (um pouco antes da pirataria, com certeza) um longa que poderá bater recordes de bilheteria, previamente apoiado numa ostensiva campanha publicitária.

                                                                              
                              Texto da minha época de Faculdade - Paulo A. Vieira - 2009


Um comentário:

  1. Analita Alves de Oliveira Campos2 de janeiro de 2017 00:12

    O rico menino pobre...

    ResponderExcluir