sexta-feira, 14 de julho de 2017

EM ESPECIAL PARA ONTEM, DIA 13 DE JULHO, DIA MUNDIAL DO ROCK

Ontem foi dia de ouvir Rock e de lamentar pelo lixo musical da atualidade...

      Minha sincera homenagem ao dia 13 de julho, Dia Internacional do Rock (Comemorado ontem, não tive como publicar este texto). Que a chama do bom e velho Rock'n Roll não pereça diante dessa musicalidade medíocre do século XXI.
      Vida longa às verdadeiras bandas e cantores que há décadas, traduzem a essência deste já eternizado gênero musical. A exemplo dos Rolling Stones, Iron Maiden, Metallica, Guns N’ Roses, U2... que continuam atuando com a mesma energia do início. E no Brasil, Titãs, Paralamas, Barão Vermelho, Capital Inicial, RPM, Ira, Engenheiros do Hawaii, entre tantas outras.
      Sem esquecer dos clássicos e imortais que há muito deixaram de existir, como The Beatles, Led Zeppelin, Bee Gees, The Doors, Ramones, Queen, Pink Floyd, Nirvana... no Brasil, em especial, Os Mutantes e a Legião Urbana, entre tantas outras bandas e artistas que já não atuam, mas que deixaram um legado musical eterno e inesquecível.
      Consequentemente, faço aqui uma dedicatória aos meus maiores ídolos desse gênero musical, em nível nacional e mundial: Raul Seixas e o rei, Elvis Presley.
        A-wa bop a loom map lop bang boom!!!

      Mas por que essa homenagem em 13 de julho?

      Foi no dia 13 de julho de 1985 que um cara chamado Bob Geldof, vocalista da banda Boomtown Rats, organizou aquele que foi, sem dúvida, o maior show de rock da Terra, o Live Aid - uma perfeita combinação de artistas lendários da história da pop music e do rock mundial.
    O Rock'n Roll, este gênero musical de grande sucesso surgiu nos Estados Unidos na década de 1950 e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo.
      Em 1954, Bill Haley lança o grande sucesso Shake, Rattle and Roll. No ano seguinte, surge no cenário musical o rei do rock, Elvis Presley. O roqueiro de maior sucesso até então, Elvis lança em 1956 o disco Heartbreaker Hotel, atingindo vendas extraordinárias.
      Diferente de tudo que já tinha ocorrido na música, o rock unia um ritmo rápido com pitadas de música negra do sul dos EUA e o country americano. Uma das características mais importantes desse novo gênero musical foi o acompanhamento de guitarra elétrica, bateria e baixo.

      FELIZ DIA DO ROCK!  LONG LIVE ROCK'N ROLL!!

      “Rock pra mim não é só ritmo, uma dança. É todo um jeito de falar, de andar, de sorrir, vestir, estalar os dedos, namorar." (Raul Seixas)

    "O crítico de Rock é alguém que não sabe escrever, entrevistando gente que não sabe falar, para gente que não sabe ler.“ (Frank Zappa)



                                                          Paulo Seixas e conteúdo da Internet


Nenhum comentário:

Postar um comentário